Mais Oito Partidos Vão Apoiar a Reeleição do Prefeito de Trizidela do Vale

IMG-20160330-WA0109
Reunião dos presidentes de partidos na casa do prefeito Fred Maia

Pelo visto o município de Trizidela do Vale terá mesmo três candidatos a prefeito. Kariádine Maria (PDT), Dr. Gustavo Brandão (Solidariedade) e o atual prefeito Fred Maia que irá concorrer a reeleição pelo PMDB.

IMG-20160330-WA0112

Esta semana foi de adesões em alguns grupos, mas o prefeito Fred Maia garantiu, pelo menos mais oitos partidos que se declaram caminhar junto com o administrador nestas eleições: PTdoB (Partido Trabalhista do Brasil) – PR (Partido da República) – PP (Partido Progressista) – PRB (Partido Republicano Brasileiro) – PSC (Partido Social Cristão) – PMN (Partido da Mobilização Nacional) – PV (Partido Verde) e PSL (Partido Social Liberal). A reunião que marcou as novas adesões foi realizada quarta-feira (30/03), na casa do prefeito de Trizidela do Vale Fred Maia.

IMG-20160330-WA0110

“Vai rolar muita história, mas a verdade é que o nosso grupo está unido. Aqui é; Maia Balé e Balé Maia um grupo só”, disse Dr. Deibson presidente do PV.

IMG-20160330-WA0111

“Estamos no caminho certo para mais uma vitória do nosso grupo que apoia o prefeito Fred Maia”, comentou Alisson Pascoal presidente do PSC.

IMG-20160330-WA0108

O prefeito Fred Maia disse que estava muito feliz. “O apoio dos amigos só me fortalece. Isso é apenas o começo de um novo tempo neste momento”, disse Fred Maia (PMDB).

 

Primeiro Torneio Demolay de Futsal em Pedreiras

IMG-20160329-WA0141

A modalidade será sub 18. Os jogos serão realizados no ginásio do Goiabal em Pedreiras. A competição terá início amanhã (02/04), e segue até o próximo dia 10 de abril.

Inscrições continuam abertas, no valor de R$ 200,00 (duzentos reais). A comissão organizadora irá oferecer uma excelente premiação para as três primeiras equipes.

Premiação:

1º Lugar – R$ 1.200,00 – Troféu e Medalhas

2º Lugar – R$    500,00 – e Medalhas

3º Lugar – Bola e medalhas

Quem estiver interessado em mais informações é só entrar em contato com Paulo Ytalo ou com o Bruno Madson – Contatos (99) 98142-7501 e (99) 98106-2828

Moradores de Peritoró Apagam a Logo da Prefeitura em Prédio Particular

O vídeo está circulando nas redes sociais. Em alguns momentos a senhora que está cobrindo o nome da prefeitura de Peritoró, diz que o prédio não é do município. Segundo informações, ali funciona uma associação dos moradores. Dona Graça estava muito nervosa e indignada com a situação.

No local estaria funcionando uma escola improvisada, enquanto o Prefeito Josias iria construir uma nova. Mas os boatos que se espalharam é que a Prefeitura teria construído o Prédio.

taylan
Taylan e Fátima Bernardes

O local que aconteceu o episódio foi no Povoado Mendonça, onde um colégio, que funcionava em um casebre de palha, foi destaque no Bom Dia Brasil, da Rede Globo, com a exibição de um vídeo produzido por uma criança que estudava no local, com a repercussão a criança e o pai participaram do programa da Fátima Bernardes (Encontro com Fátima Bernardes), relatando a situação e reivindicando por melhorias, em rede nacional.

Lindoel da Baixada e Dé da Santopel Agora Integram Base Aliada de Kariádine Maria

IMG-20160401-WA0000Às vésperas do encerramento do prazo de filiação partidária para aqueles que pretendem candidatar-se para o pleito de 2016, Fred sofre com baixas na sua base aliada.

O Jovem Lindoel Nascimento, conhecido como Lindoel da Baixada, grande liderança Jovem em Trizidela do Vale agora está na base aliada da pedetista Kariádine Maria. E mais, além de deixar o PP e filiar-se ao PSD, Lindoel é pré-candidato a vereador.

O empresário Dé da Santopel também integra agora a base aliada de Kariádine, que fortalece a cada dia dia pré-candidatura. O empresário filio-se ao PRP e também disputar uma vaga na Câmara Municipal de Trizidela do Vale. Enquanto isso, o PMDB continua inerte e perde aliados importantíssimos.

Fonte: ASCOM/Kariádine Maria

Moro Admite ao STF Equívoco ao Divulgar Conversa de Lula e Dilma

1457716835-350145171
Juiz Sérgio Moro recuou nesta terça-feira (29) (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)

BRASÍLIA – O juiz federal Sérgio Moro admitiu hoje (29) ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki que lamenta e pede “escusas” por ter autorizado a divulgação de escutas telefônicas entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidenta Dilma Rousseff. Ao ministro, Moro também disse que não teve intenção de provocar polêmicas, conflitos ou constrangimentos.

“Diante da controvérsia decorrente do levantamento do sigilo e da decisão de vossa excelência, compreendo que o entendimento então adotado possa ser considerado incorreto, ou mesmo sendo correto, possa ter trazido polêmicas e constrangimentos desnecessários. Jamais foi a intenção deste julgador, ao proferir a aludida decisão de 16 de março, provocar tais efeitos e, por eles, solicito desde logo respeitosas
escusas a este Egrégio Supremo Tribunal Federal”, disse Moro.

Moro enviou as informações a pedido de Zavascki após a decisão do ministro que determinou a suspensão das investigações da Operação Lava Jato que envolvem Lula e envio dos processos ao Supremo.

Com a decisão de Teori, Moro avaliou que seu entendimento sobre a questão foi incorreto. O juiz também afirmou que não determinou a quebra de sigilo telefônico de nenhuma pessoa com prerrogativa de foro e que os diálogos envolvendo a presidenta Dilma e ministro do gabinete pessoal da presidência, Jaques Wagner, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, e parlamentares, foi encontrada de forma fortuita nas investigações.

“O levantamento do sigilo não teve por objetivo gerar fato político-partidário, polêmicas ou conflitos, algo estranho à função jurisdicional, mas, atendendo o requerimento do MPF, dar publicidade ao processo e especialmente a condutas relevantes do ponto de vista jurídico e criminal do investigado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que podem eventualmente caracterizar obstrução à Justiça ou tentativas de obstrução à Justiça”, justificou Moro.

Lula

No despacho, Moro também cita um áudio no qual ex-presidente Lula entrou em contato com o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa. Segundo Moro, Lula tentou que houvesse interferência de Barbosa na Receita Federal. Segundo o juiz, Lula “aparentemente” tentou interferir nas investigações.

“Em cognição sumária, o ex-presidente contatou o atual ministro da Fazenda buscando que este interferisse nas apurações que a Receita Federal, em auxílio às investigações na Operação Lava Jato, realizada em relação ao Instituto Lula e a sua empresa de palestras. A intenção foi percebida, aparentemente, pelo ministro da Fazenda, que, além de ser evasivo, não se pronunciou acolhendo a referida solicitação. O ex-presidente, aparentemente, tentou obstruir as investigações atuando indevidamente, o que pode configurar crime de obstrução à Justiça”, disse o juiz.

Validade do áudio

Sobre a validade da conversa entre Lula e o ministro da Fazenda como prova criminal, Moro sustentou que o diálogo tem relevência para a investigação, mesmo sendo encontrado fortuitamente nas investigações.

“A colheita fortuita do diálogo com autoridade com foro privilegiado, entretanto, não implica a necessidade de mudança do foro para o Supremo Tribunal Federal, pois não há qualquer elemento probatório que autorize conclusão de que o ministro Nelson Barbosa cedeu às solicitações indevidas do ex-presidente, o contrário se depreendendo do diálogo. Isso, porém, não torna inválida à interceptação ou impede a utilização ou a divulgação do diálogo, a prextexto de preservar privacidade, pois não há esse direito em relação ao investigado Luiz Inácio Lula da Silva, já que o diálogo, para ele, tem relevância jurídico-criminal,” diz Moro.

Diálogo entre Lula e Dilma

Sobre o diálogo entre Lula e a presidenta Dilma, Moro explicou que autorizou o levantamento do sigilo por entender que ele não tinha relevância criminal para Dilma, sendo que Lula era o investigado.

“O foco da investigação era o ex-presidente da República, então destituído de foro por prerrogativa de função e, embora o referido
diálogo no contexto de obstrução fosse juridicamente relevante para ele, não parece que era tão óbvio assim que também poderia ser relevante juridicamente para a excelentíssima presidenta da República”.

Advogado de Lula

Sobre a autorização de interceptação das conversas de um dos advogados do ex-presidente, Roberto Teixeira, Moro afirmou que determinou apenas grampear um número de celular e que não tem conhecimento de que os números do escritório de advocacia tenham sido interceptados. De acordo com as investigações, Teixeira teria representado os empresários Jonas Suassuna e Fernando Bittar na compra do sítio frequentado pela família de Lula, em Atibaia (SP).

“Desconhece este Juízo que tenha sido interceptado outro terminal dele [Roberto Teixeira] ou terminal com ramal de escritório de advocacia. Se foi, essas questões não foram trazidas até o momento à deliberação deste juízo pela parte interessada. Se o advogado se envolve em condutas criminais, no caso suposta lavagem de dinheiro por auxiliar o ex-presidente na aquisição com pessoas interpostas do sítio em Atibaia, não há imunidade à investigação a ser preservada, nem quanto à comunicação dele com seu cliente também investigado”, disse.

Novos áudios

No pedido de informações, Moro também afirmou que existem mais conversas telefônicas do ex-presidente que foram gravadas. “Há outros diálogos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva intencionando ou tentando obstruir ou influenciar indevidamente a Justiça. Há também diálogos nos quais revela a intenção de intimidar as autoridadades responsáveis pela investigação e processo”, afirmou Moro.

Na quinta-feira (31), o STF decidirá se o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela investigação da Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal, continuará na condução dos inquéritos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na semana passada, o ministro Teori atendeu a pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) e suspendeu, com base em jurisprudência da Corte, a divulgação das interceptações envolvendo a Presidência da República e fixou prazo de dez dias para que Sérgio Moro preste informações sobre a divulgação dos áudios do diálogo entre a presidenta Dilma Rousseff e Lula, tornadas públicas após decisão do juiz.