Açailândia: Delegado de Açailândia e sua equipe são presos por crime de corrupção

Thiago Gardoni Filipini preso em Açailândia por corrupção (Foto: Foto: Divulgação)

São Luís – Mais um delegado da Polícia Civil, lotado na cidade de Açailândia, foi preso, acusado de fazer parte de organização criminosa e cometer crime de corrupção. Além do delegado Thiago Gardoni Filipini, titular do 1º Distrito Policial do município, toda a sua equipe – o investigador Glauber Santos da Costa, a escrivã Silvia Helena Alves e o carcereiro Mauricélio da Costa Silva – foi presa, assim como o advogado Erick Nascimento Carosi.

“Todos os detidos faziam parte de uma organização criminosa e agiam dentro da delegacia de Polícia Civil de Açailândia”, declarou o delegado-geral da Polícia Civil do Maranhão, Lawrence Melo. Ele informou ainda que a cúpula da Secretaria de Segurança Pública (SSP) foi informada, no começo deste ano, por meio de uma denúncia do Ministério Público de Açailândia, de que o grupo vinha cometendo atos criminosos.

A Secretaria de Segurança Pública, de imediato, determinou que o caso fosse investigado pela equipe da Superintendência de Combate à Corrupção (Seccor) e acabou constatando que várias irregularidades estavam sendo realizado pelo delegado Thiago Filipini, com a participação de sua equipe de policiais e do advogado Erick Nascimento Carosi.

Eles estariam realizando prisões na cidade e, para liberar os acusados, na maioria das vezes acordado com a presença do advogado Erick Nascimento, era cobrado determinado valor, dependendo da situação financeira do detido. O bando também efetuava prisões de pessoas sem qualquer procedimento contra elas, que eram soltas mediante pagamento. “O valor acordado era relativo e, no momento, não tem como quantificar”, explicou o delegado Lawrence Melo.

O delegado-geral disse ainda que após o trabalho de investigação, foi solicitada ao Poder Judiciário a prisão preventiva dos acusados e os mandados foram cumpridos ontem. Todos os envolvidos foram presos em Açailândia e removidos ontem mesmo para São Luís.

O delegado Thiago Filipini e sua equipe, o investigador Glauber Santos, a escrivã Silvia Helena Alves e o carcereiro Mauricélio da Costa foram levados para o anexo da Delegacia Especial da Cidade Operária (Decop), reservado para a prisão de policiais civis, enquanto o advogado Erick Nascimento está no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

Prisão de militar
Além da prisão dos policiais civis, uma equipe da Seccor, após representação feita ao Juízo da Central de Inquéritos de São Luís, com apoio da Polícia Militar, prendeu, no último dia 26, o terceiro sargento Fernando Araújo Sobrinho e o soldado Carlos Magno dos Santos Pereira, ambos da PM, e o vigilante José Arnaldo Coelho Soares.

Eles foram presos suspeitos da prática de roubo ocorrido no dia 12 de maio deste ano, a um comércio localizado no Anjo da Guarda, de onde foram levados dinheiro e máquinas caça-níquel. Na ação criminosa, os acusados usaram coletes, armas de fogo e o carro particular do PM Sobrinho, um Renault Duster.

Os dois militares tiveram ainda prisão preventiva decretada pela Vara da Central de Inquéritos pela suspeita de prática de roubo de um veículo Corolla, ocorrido no dia 2 de dezembro do ano passado, no Outeiro da Cruz. Na ocasião, a dupla criminosa estava em companhia de um terceiro homem, que ainda está foragido. l

Frase

“Todos os detidos faziam parte de uma organização criminosa e agiam dentro da delegacia de Polícia Civil de Açailândia”

Lawrence Melo, delegado geral da Polícia Civil

Fonte: imirante.com

Deixe uma resposta