Logo

Após Vazamento de Gravações Sobre Lava Jato, Jucá se Licencia do Governo

16144143

O ministro Romero Jucá (Planejamento), durante entrevista coletiva sobre áudio vazado

O ministro do Planejamento, Romero Jucá, anunciou nesta segunda-feira (23) que se licenciará do governo do presidente interino Michel Temer, até que o Ministério Público se pronuncie sobre a gravação de uma conversa sua com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. A licença valerá a partir desta terça (24).

Tecnicamente, Jucá terá que pedir exoneração do cargo e se eventualmente voltar Temer terá que nomeá-lo para o cargo novamente. Por enquanto, no lugar do ministro licenciado entrará Dyogo Henrique de Oliveira, hoje secretário-executivo do Planejamento.

O anúncio ocorre no mesmo dia em que a Folha divulgou gravações em que Jucá fala em pacto para deter avanço da Operação Lava Jato.

Gravados de forma oculta, os diálogos entre ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e Jucá ocorreram semanas antes da votação na Câmara que desencadeou o impeachment da presidente Dilma Rousseff. As conversassomam 1h15min e estão em poder da PGR (Procuradoria-Geral da República).

Em uma entrevista conturbada à imprensa, Jucá afirmou que seu advogado, Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, irá protocolar uma ação junto ao Ministério Público, ainda nesta segunda, para que o órgão indique se houve ou não irregularidade ou crime na conversa. Para Jucá, houve “manipulação das informações” publicadas.

“A partir de amanhã eu estou de licença. Reassumo o Senado para fazer o enfrentamento aqui até que o Ministério Público se manifeste quanto às condições da minha fala com Sérgio Machado. Eu sou presidente nacional do PMDB, sou um dos construtores desse novo governo e não quero de forma nenhuma deixar que qualquer manipulação mal intencionada possa comprometer o governo”, disse.

O ministro afirmou ainda que está “consciente” de que não cometeu irregularidades e disse defender as investigações da Operação Lava Jato. “Meu gesto mostra que somos transparentes. Aguardo manifestação do Ministério Público porque sei que não fiz nada de errado. Nada melhor do que uma manifestação de um órgão isento”, disse.

Questionado sobre se acreditava que voltaria para o ministério, Jucá afirmou apenas “vamos ver”. “O presidente me deu um voto de confiança mas eu não quero servir de massa de manobra para o atraso tentar voltar a esse país”, completou.

‘GOLPISTA’

Enquanto Jucá falava, um grupo de servidores e deputados gritva “golpista” e “ladrão”, o que obrigou o ministro a falar em um tom de voz alto. Ele chamou os manifestantes de “babacas”.

“Para evitar babaquices como essas e manipulação do PT, vamos fazer enfrentamento onde precisa fazer. Não temos medo de cara feia e nem de gritaria, principalmente de gente atrasada e irresponsável que quebrou o país”, respondeu aos manifestantes.

Jucá participou da cerimônia de entrega da nova meta fiscal ao Congresso, com a previsão de déficit fiscal de R$ 170,5 bilhões. A revisão da meta deverá ser votada em uma sessão conjunta do Congresso marcada para esta terça (24). O encontro ocorreu no gabinete do presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Além de Jucá, o próprio Temer e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, participaram da reunião. Esta foi a primeira vez que o presidente interino foi ao Congresso desde que assumiu o comando do país.

Após o encontro, Jucá deu entrevista para a imprensa, voltou a se reunir com Renan e seguiu para a reunião da Comissão Mista de Orçamento do Congresso que deve votar a revisão da meta fiscal nesta segunda já com a estimativa de deficit atualizada.

Segundo o ministro, a aprovação da nova meta é “o primeiro movimento da equipe econômica de dar realidade às contas públicas”.

“É a condição do governo funcionar. É meta matemática. meta factível, realista, não tem maquiagem. É a primeira diferença marcada entre o governo Michel Temer e o governo que saiu”, disse.

Ainda na entrevista, Jucá rebateu o senador Telmário Mota (PDT-RR), seu desafeto político local. Mota prometeu entrar com um processo no Conselho de Ética do Senado para cassar o mandato de Jucá.

“O PDT pode entrar no que quiser. O senador Telmário Mota devia entregar a mulher dele que está procurada pela Polícia e está foragida junto com o Neudo Campos. Ele deveria ter vergonha de estar aqui representando Roraima”, disse.

ÁUDIO

A decisão de pedir licença do cargo foi tomada após a divulgação de áudio que desmentiu a versão inicial do ministro de que ele se referia à situação econômica.

Após o vazamento, Jucá e Temer se reuniram no Palácio do Jaburu e, segundo a relatos de aliados, avaliaram que a situação havia se tornado insustentável e que a licença seria a melhor forma de evitar que o aumento do desgaste.

No encontro, acertaram a permanência de Oliveira no comando da pasta, em um primeiro momento, uma vez que as soluções caseiras estudadas pelo peemedebista, como o deslocamento para o posto de Moreira Franco e Eliseu Padilha, enfrentaram resistências de ambos.

Fonte: folhadesaopaulo.com.br

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

  • siga-nos no facebook

  • Clique no flyer e acesse o site da FAESF

  • Vitorino Net

  • Gráfica e Editora Mearim – Pedreiras

  • Pedreiras Grand’ Hotel – Para pessoas que buscam tranquilidade, conforto, bons serviços e clima agradável

  • LOJA DOIS PAPELARIA O MAIOR MIX DE PAPELARIA DE PEDREIRAS – AV. RIO BRANCO – CENTRO

  • Connect Pedreiras

  • Venha nos visitar!

  • Telefones Úteis

    WhatsApp da PM (99) 8156-5426 Tenente do Dia (99) 98174-3547 Sargento do Dia (99) 98140-4154
  • downloadfilmterbaru.xyz nomortogel.xyz malayporntube.xyz