Logo

Brasília: Secretário de Comunicação, pivô de nova crise no Planalto, divide opiniões no governo e na família Bolsonaro

(Brasília – DF, 15/01/2020) Pronunciamento do Secretário Especial de Comunicação Social, Fábio Wajngarten. Foto: Anderson Riedel/PR

Personagem da mais nova crise no Palácio do Planalto, o chefe da Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República (Secom), Fábio Wajngarten, divide opiniões no governo e na própria família Bolsonaro. Apesar de receber elogios do presidente, a atuação do secretário passou a ser criticada no fim do ano passado pelo vereador Carlos Bolsonaro, seu aliado quando chegou ao cargo há dez meses.

Wajngarten é próximo do advogado Frederick Wassef, atualmente à frente da defesa do senador Flávio Bolsonaro no caso envolvendo seu ex-asssessor Fabrício Queiroz e o suposto esquema de “rachadinha” no gabinete na Assembleia Legislativa do Rio. Ainda na pré-campanha presidencial, Wassef, que se anuncia como um consultor jurídico da família Bolsonaro, apresentou Wajngarten, dono da empresa Controle da Concorrência, nome fantasia da FW Comunicação e Marketing, como um homem capaz de abrir portas em emissoras de televisão.

Na quarta-feira, o  jornal “Folha de S. Paulo” revelou que a empresa da qual Wajngarten tem 95% da sociedade mantém contratos com emissoras de televisão e agências de publicidade que atendem o governo. O caso será analisado pela Comissão de Ética Pública da Presidência da República em sua primeira reunião do ano, no próximo dia 28.

No primeiro momento, o Planalto tratou o assunto como “mentira absurda, ilação leviana”, mas, ao longo de todo a quarta-feira, a pressão aumentou e integrantes do governo dizem que a postura agora é de cautela. Após a reunião no fim do dia, convocada às pressas pelo presidente Bolsonaro para que o secretário apresentasse documentos relativos à sua empresa, a ordem é esperar apuração dos fatos. Na manhã desta quinta-feira, Bolsonaro afirmou que Wajngarten permanece no cargo.

Bolsonaro foi alertado pelo ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, que se Wajngarten não fez declarações oficiais corretamente sobre vínculo com empresa, o único caminho é que ele peça para deixar o governo. Outros auxiliares diretos do presidente analisam os desdobramentos do caso e os possíveis arranhões para a imagem do governo.

Aproximação no hospital

Após ser apresentado pelo advogado Frederick Wassef, Wajngarten passou a organizar jantar com empresários e atuar na aproximação de Bolsonaro com a comunidade judaica e a elite paulista. Vetado por Gustavo Bebianno, ex-ministro e então coordenador da campanha, não teve atuação efetiva na propaganda eleitoral.

A aproximação com a família, de fato, só ocorreu após Bolsonaro ter sido atacado com uma faca durante um ato de campanha em Juiz de Fora, em setembro de 2018. Filho de um médico do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, Wajngarten teria atuado também para que Bolsonaro fosse transferido para o local.

CONTINUA DEPOIS DOS COMERCIAIS

Durante os 23 dias de internação, Wajngarten tinha acesso livre ao quarto do então candidato e se aproximou de Carlos Bolsonaro. Depois da eleição, se manteve distante. O contato com o presidente e Carlos foi retomado quando Bolsonaro passou 17 dias hospitalizado para a retirada da bolsa de colostomia , entre janeiro e fevereiro de 2019. Foi justamente nesta época que começou a se desenhar a crise que culminou, dias depois, com a demissão de Bebianno, então ministro-chefe da Secretaria-Geral.

Em abril do ano passado, Wajngarten assumiu a Secom com o apoio de Carlos Bolsonaro. Na época, a Secretaria de Governo, pasta a qual a Comunicação é subordinada, era comandada pelo ministro Carlos Alberto dos Santos Cruz, que, dois meses depois, deixou o governo em decorrência de atritos com Wajngarten e o filho do presidente. Em conversas reservadas, o ex-ministro costuma dizer que o secretário tem “perfil de lobista.”

Sucessor de Santos Cruz, o ministro Luiz Eduardo Ramos se aproximou do chefe da Secom e, logo de início, atuou para amenizar atritos de Wajngarten com o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros. Ambos disputavam espaço no atendimento aos jornalistas. Por determinação de Ramos, o gabinete do Porta-Voz, antes subordinado à Secom, passou a responder diretamente à Secretaria-Executiva da Secretaria de Governo. Rêgo Barros acabou esvaziado.

Na tarde quarta-feira, Wajngarten, que passou todo o dia se dizendo indignado e alvo de perseguição, fez um pronunciamento no Palácio do Planalto, mas não respondeu questões sobre conflito de interesse. Para demonstrar força, teve ao seu lado o ministro Ramos, general de quatro estrelas. A presença do chefe, no entanto, teve uma explicação militar nos bastidores do governo: comandantes têm de estar ao lado de seus subalternos nas horas difíceis. Nada mais do que isso.

Fonte: oglobo.globo.com

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

  • siga-nos no facebook

  • Venha nos visitar!

  • Connect Pedreiras

  • Clique no flyer e acesse o site da FAESF

  • Pedreiras Grand’ Hotel – Para pessoas que buscam tranquilidade, conforto, bons serviços e clima agradável

  • LOJA DOIS PAPELARIA O MAIOR MIX DE PAPELARIA DE PEDREIRAS – AV. RIO BRANCO – CENTRO

  • Vice-prefeito de Pedreiras. Acesse nossa página no Facebook. Clique no Flyer

  • FEMAF – Visite o site. Clique no banner

  • Wikreative – (99) 98103-4204 – Clique no flyer e tenha mais informações

  • Vitorino Net

  • Acesse nossa página. Clique no banner

  • Telefones Úteis

    WhatsApp da PM (99) 8156-5426 Tenente do Dia (99) 98174-3547 Sargento do Dia (99) 98140-4154
  • Google Adsense

  • downloadfilmterbaru.xyz nomortogel.xyz malayporntube.xyz