São Paulo: Deltan Dallagnol deixa o comando da Lava-Jato em Curitiba

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agencia Brasil

O procurador da República Deltan Dallagnol, da Lava-Jato, está se desligando da equipe. O afastamento dele foi confirmado na tarde desta terça-feira em nota do Ministério Público Federal (MPF). Dallagnol estava há seis anos na coordenação da Lava-Jato no Paraná. Ele alegou “questões de saúde em sua família” para deixar o posto. O procurador deixa a função num momento em que a Lava-Jato no Paraná está em rota de colisão com a cúpula do MPF, especialmente o procurador geral da república, Augusto Aras.

Com a saída, o procurador da República no Paraná Alessandro José Fernandes de Oliveira vai assumir as funções de Deltan. Ele é considerado um procurador “muito discreto” e “ponderado”. Experiente em casos criminais e de corrupção, Oliveira atuou nos acordos de delação premiada do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro e do lobista Jorge Luz, assinados durante a gestão da procuradora-geral da República Raquel Dodge.Ele é procurador da república desde 2004 e atua no Paraná desde 2012. Integra o Grupo de Trabalho Lava-Jato na Procuradoria-Geral da República (PGR) desde janeiro de 2018.A transição do cargo deve levar 15 dias. Até lá Deltan deve permanecer para auxiliar o novo coordenador.

Oliveira é descrito pelos colegas do grupo da força-tarefa como “técnico” e “conciliador”.

Em vídeo, Dallagnol disse que médicos apontaram recentemente sinais de regressão no desenvolvimento de sua filha de um ano e 10 meses, e resolveu priorizar a atenção ao caso.

– Identificamos sinais que nos preocuparam em nossa bebêzinha. Ela parou de falar algumas palavras, deixou de olhar para a gente nos nossos olhos e rostos e também quando nós a chamamos. A nossa filhinha está passando por uma série de exames e terei que me dedicar como pai. E isso não pode esperar – afirma o procurador. -Depois de anos na Lava-Jato, vou precisar agora focar na minha família. É uma decisão difícil, mas é a decisão certa a tomar como pai – concluiu.

Na gravação, o procurador pede apoio a Lava-Jato e alertou que decisões tomadas em Brasília podem afetar a operação.

– Se você apoia a Lava-Jato, continue a apoiar. A operação vai continuar firme no seu trabalho. Mas decisões que serão tomadas em Brasília afetarão seus trabalhos. A força-tarefa tem muito por fazer e precisa do seu suporte – afirma o procurador.

Dallagnol se tornou alvo de uma série de representações no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), que tinham potencial para afastá-lo do grupo de Curitiba. O órgão é presidido por Aras.

Em nota, o MPF agradeceu a Deltan pelo trabalho realizado.

“Deltan desempenhou com retidão, denodo, esmero e abnegação suas funções, reunindo raras qualidades técnicas e pessoais. A liderança exercida foi fundamental para todos os resultados que a operação Lava Jato alcançou, e os valores que inspirou certamente continuarão a nortear a atuação dos demais membros da força-tarefa, que prosseguem no caso”, diz a carta.

fonte: oglobo.globo.com

Deixe uma resposta